Em cartaz

PANO DE BOCA
Temporada: 11/07 até 14/09

Ficha Técnica 
Texto: Fauzi Arap
Direção: Marcelo Marcus Fonseca
Trilha Original: Bisdré Santos
Iluminação: Rodrigo Alves
Espaço Cênico: Antonio Rodrigues
Cenário: Marcelo Marcus Fonseca (a partir da obra de Flávio império)
Figurinos e Adereço: Gabriela Morato (a partir da obra de Flávio Império)
Produção Geral: Gabriela Morato
Arte Gráfica: Gustavo Oliveira
Fotografia e Registro: Don Fernando
Operação de luz: Valcrez Siqueira
Operação de Som: Bisdré Santos/ Vinicius Arabe
Assistente de Direção: Vinicius Árabe
Assistente de Iluminação e Espaço cênico: Valcrez Siqueira
Assistente de Figurino e Adereço: Francisco Silva, Elena Vago e Sergio Ricardo
Assistente de Produção: Elena Vago
Assistente de Produção Executiva: Victor Dallmann
Assistente de Registro: Luciana Fernandes e Frederico Meneses
Técnico Responsável: Antonio Rodrigues
Bilheteria: Elena Vago, Luciana Fernandes e Cia. Teatro do Incêndio
Administração: Gabriela Morato
Assistente de Administração: Francisco Silva
Personagens/Elenco:

Magra - Gabriela Morato          Pagão - Marcelo Marcus Fonseca
Paulo - Daniel  Ortega              Segundo - Francisco Silva
Zeca - Josemir Kowalick
Marco - Gustavo Oliveira          Voz da Esfinge (Em aúdio) - José Celso Martinez Correa
Ana - Rebeca Ristoff
Pedro - Victor Dallmann
Tássia - Ana Beatriz Pereira
Serviço:
Teatro do Incêndio: Rua Treze de Maio, 53. Sábado e Segunda às 20 horas, Domingo às 18 horas.
Ingressos: R$ 5,00. Estacionamento ao lado. 
Contatos: producao.teatrodoincendio@hotmail.com
11 26093730 // 11 2609 8561

Espetáculos Anteriores

O Pornosamba e a Bossa Nova Metafísica

Temporada 2014/2015

 

Direção e dramaturgia: Marcelo Marcus Fonseca

Direção Musical: Wanderley Martins

Co-direção musical: Vlad Rocha, Bisdré Santos e Marcelo M. Fonseca

Iluminação: Alex Sandro Duarte e Marcelo Marcus Fonseca

Figurinos: Gabriela Morato e Sérgio Ricardo

Fotografia e registro de processo: Don Fernando

Produção: Gabriela Morato e Cia. Teatro do Incêndio

Arte Gráfica: Gustavo Oliveira

 

ELENCO

Gabriela Morato, Marcelo Marcus Fonseca, Sergio Ricardo, Wanderley Martins, Diogo Cintra, Gustavo Oliveira, Valcrez Siqueira, Rebeca Ristoff, Victor Dallmann, Elena Vago, Ana Beatriz Pereira, Vlad Rocha (Bateria) e Francisco Lacerda e Bisdré Santos (Violão de 7 cordas).

 

SERVIÇO

Estreia: 15 de novembro – sábado – às 21 horas

Reestreia: 24 de Janeiro de 2015 até 31/05/2015– sábado – às 21 horas e às 20 horas

Teatro do Incêndio - Rua da Consolação, 1219. Telefones: (11) 2609-8561 e 2609-3730 - Temporada: sábados às 21h e domingos às 20h - Até 14/12 - Ingressos: R$ 40,00 (meia: R$ 20,00) – Bilheteria 2h antes da sessão - Duração: 80 min. Gênero: Musical. Classificação etária: 16 anos.  - Capacidade: 99 lugares. Acessibilidade. Aceita dinheiro e cartão de débito. 

 

SINOPSE

A música Popular Brasileira, como rito de morte e renascimento, é apresentada por meio de linguages como expressionismo, naturalismo e outras vanguardas. O Espetáculo - em grande parte "auditivo" - cria uma atmosfera sonora que busca inserir o espectador no espírito do Samba e da Bossa Nova, de forma provocativa e interativa

São Paulo Surrealista

Temporada 2013/2014

 

Direção e dramaturgia: Marcelo Marcus Fonseca

Direção Musical: Wanderley Martins

Co-direção musical: Vlad Rocha, Bisdré Santos e Marcelo M. Fonseca

Iluminação: Alex Sandro Duarte e Marcelo Marcus Fonseca

Figurinos: Gabriela Morato e Sérgio Ricardo

Fotografia e registro de processo: Don Fernando

Produção: Gabriela Morato e Cia. Teatro do Incêndio

Arte Gráfica: Gustavo Oliveira

 

ELENCO

 

Ana Cecília Moretto, Camila Bertani, Caio Franco, Diogo Cintra, Elena Vago, Flávio Kage,Gabriela Morato, Guilherme Valente Dias, Gustavo Oliveira, Marcelo Marcus Fonseca, Priscilla Lima, Luiz Castro, Sérgio Ricardo Campoy 

Valcrez da Silva Siqueira, Apólo, Victor Dallman e Viviane Monteiro

 

SERVIÇO

Espetáculo: São Paulo Surrealista.

Estreia: 17/05/14.

Temporada: até 07/09/14.

Dias e horários: Sábados às 21:00, domingos as 19:00.

Onde: Sede do Teatro do Incêndio.

 

SINOPSE

São Paulo Surrealista traz as contradições despertadas pela metrópole no provocativo drama musical. Na trama, os escritores Mário de Andrade, Roberto Piva e Patrícia Galvão cruzam com cidadãos comuns e, em uma viagem surrealista, convidam o dramaturgo Antonin Artaud e o escritor André Breton, ambos franceses, para um passeio  em São Paulo.

Fim de Curso 

Temporada 2013

 

Direção: Marcelo Marcus Fonseca.
Texto: René de Obaldia
Iluminação: Rodrigo Alves.

Operação de Luz: Valcres da Silva Siqueira e Bruna Pontara
Operação de Som: Maira Rocha Amorim e Robson Groth

Produção e Realização: Cia. Teatro Do Incêndio.

 

ELENCO

Christiane: Ana Cecília Moretto                     

Annick: Bárbara Santo                                  

Maurice: Flavio Kage                                      

Maryse: Gabriela Morato                                

Francis: Paula Micchi                                     

Boracéia: Nunila Katz                                       
Yves: Vadim Nikitim                

Alain: Vinicius Pimentel (Luiz Hirschmann) 

 

SERVIÇO

Espetáculo: Fim de Curso.

Estreia: 11/10/13.

Temporada: até 15/12/13.

Dias e horários: Sextas e sábados às 21:00, dominngos às 19:00.

Onde: Sede do Teatro do Incêndio.

Duração: 55 minutos

 

 

Sinopse

Com texto de René Obaldia, a peça “Fim de Curso” discute a morte de um professor universitário por jovens estudantes, que pedem clemência pelo crime. Os alunos alegam ter assassinado alguém que já estaria morto.

A Baby Sitter  

Temporada 2013

 

Texto: René de Obaldia

Direção: Marcelo Marcus Fonseca
Iluminação: Rodrigo Alves
Direção Musical e Música Ao Vivo: Caiti Hauck
Produção e Realização: Cia. Teatro Do Incêndio

 

ELENCO

Eloisa Vitz, Caroline Marques e Marcelo Marcus Fonseca.

 

 

SERVIÇO

Espetáculo: “A Baby Sitter”

Estreia: 11/10/2013

Temporada: até 09/11/13

Dias e horários: Sextas e sábados as 21h

Onde: Sesc Pinheiros

Duração: 60 minutos

 

 

SINOPSE

Com direção de Marcelo Marcus Fonseca, a Cia. Teatro do Incêndio traz pela primeira vez ao Brasil a obra do dramaturgo francês René de Obaldia. Traduzida por Clara Carvalho para o Projeto “São Paulo: Cidade Surrealista”, a peça em um ato apresenta um universo bem-humorado da vida conjugal, com toques de crueldade e viradas surpreendentes. A cenografia é composta por uma casa sem paredes, com projeção dos objetos de uma sala sobre os atores – os únicos elementos reais são duas poltronas, um divã e uma porta. Pelo fato de o diálogo ter fortes traços surrealistas, a direção optou por uma interpretação realista, que valoriza os absurdos apresentados nas opiniões dos personagens e revela o humor cotidiano nas ações equivocadas do casal diante da figura de uma santa que não revela sua identidade. A música é realizada ao vivo pelo baixo acústico de Caiti Hauck, acompanhando o tom de suspense ou melancolia em cena.
 

Baal - "O Mito da Carne"  
Temporada 2013 

 

Direção: Marcelo Marcus Fonseca
Iluminação: Rodrigo Alves
Assistência de Direção e Figurinos: Paula Micchi
Direção Musical e Música Ao Vivo: Caiti Hauck
Espaço Cênico: Antonio Rodriguescartazes tamanho A3
Assessoria de Imprensa: Roseli Castro
Produção e Realização: Cia. Teatro Do Incêndio

 

ELENCO
Ana Cecília Moretto – Coro, Irmã 1 , Interna, Guarda
Anderson Barreto – Coro, Carroceiro, Guarda
Bárbara Santos – Coro, Irmã 2, Maja, Guarda
Diego Freire – Crítico Literário, Carroceiro, Bolleboll, Guarda
Lilian Regina – Joana, Coro
Marcelo Marcus Fonseca - Baal
Paula Micchi – Coro, Gougou, Prostituta
Roseli Castro – Emilie, Interno, Guarda
Gabriela Morato - Sophie
Vinicius Pimentel – Johannes, Interno
Walter Della Costa – Mech De Sá, Carroceiro, Vagabundo, Mendigo
Vadim Nikitin – Eckart

 

SERVIÇO

Espetáculo: “Baal – O Mito da Carne”

Estreia: 07/06/2013

Temporada: de 08/06 a 29/09

Dias e horários: Sextas e sábados as 21h e domingos as 19 h

Onde: Teatro do Incêndio – Rua Santo Antônio, 723 – Bela Vista

Ingressos: Sextas R$ 25,00, Sábados e Domingos: R$ 40,00

Bilheteria: 2 h antes do espetáculo

Duração: 90 minutos

Lotação: 96 lugares

Classificação Indicativa: 16 anos

 

 

São Paulo Surrealista 2 "A Poesia Feita Espuma"  
Temporada 2012 

 

Roteiro e Direção: Marcelo Marcus Fonseca

Direção Musical: Wanderley Martins

Iluminação: Rodrigo Alves

Curadoria Poética e Suporte Teórico: Cláudio Willer

Direção de Arte: Sérgio Ricardo e Marcelo Marcus Fonseca

Assistência de Direção: Paula Micchi

Debatedor de Ensaios: Paulo Sposati Ortiz

Fotos: Bob Sousa

Designers: Giuliano Henrique e Ana Carolina Boscatto

Composições Originais: Wanderley MArtins e Marcelo Marcus Fonseca

Projeções: Vinícius Gusman

Assessoria de Imprensa: Eliane Verbena - Verbena Comunicações

Produção e Realização: Cia. Teatro do Incêndio

Apoio: Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo

 

Elenco:

Marcelo Marcus Fonseca, Wanderley Martins, Sérgio Ricardo, Giulia Lancellotti, João Sant'Ana, David Guimarães, Sonia Molfi, Talita Righini, Lilian Regina, Yasmine Colucci, Laís Thalles, Vimnícius Gusman, Bárbara Santos, Antônio Motta, Vinícius Pimentel, Cláudia Coelho, Bea Malagueta, Pricila Lima, Caroline Marques, Vanessa Kiltzke.

 

Agradecimentos:

Roberto Bicelli, Cida Moreira, Gustavo Benini, Antônio Carlos Sartini, Bierto Lima, Marco Antônio Braz, Ge Rodrigues, Igor Calmona, Keila Zago, Ana Meri Medeiros, Vadir rivaben, Eliety Teixeira, Jair Gabriel, Duarte Mariano, equipe da Oficina Cultural Oswald de Andrade, Jacinta Santos, Paulo Lisboa e Amy Winehouse.

 

Apoio:

Teatro do Incêndio, Programa Municipal de FOMENTO TEATRO, Organização Socialde Cultura: POIESIS, OC, Oficinas Culturais do Estado de São Paulo, Governo do Estado de São Paulo - Secretaria da Cultura, Secretaria Municipal de Cultura de Fomentos Culturais, OAK Impressão Digital, Joalheria Alternativa - Oficina de Jóias, Cantina e Pizzaria Piolin, Shivapoint, Cantina Luna de Capri, Planeta's e Alvex.

 

 

São Paulo Surrealista

Temporada 2012

 

Direção e dramaturgia: Marcelo Marcus Fonseca

Direção Musical: Wanderley Martins

Iluminação: Rodrigo Alves

Figurinos: Liz Reis

Fotografia e registro de processo: Bob Sousa

Produção: Cia. Teatro do Incêndio

Arte Gráfica: Juliano Henrique

Adereços: Sergio Ricardo

 

ELENCO

 

Marcelo Marcus Fonseca, Sergio Ricardo, Wanderley Martins, Liz Reis, João Sant'anna, Davi Guimarães, Giulia Lancellotti, Talita Righini, Sonia Molfi e outros.

 

SERVIÇO

Espetáculo: São Paulo Surrealista.

Estreia: 02/03/2012

Temporada: até 05/08/12.

Dias e horários: Sábados às 21:00, domingos às 19:00.

Onde: Sede do Teatro do Incêndio.

 

SINOPSE

São Paulo Surrealista traz as contradições despertadas pela metrópole no provocativo drama musical. Na trama, os escritores Mário de Andrade, Roberto Piva e Patrícia Galvão cruzam com cidadãos comuns e, em uma viagem surrealista, convidam o dramaturgo Antonin Artaud e o escritor André Breton, ambos franceses, para um passeio  em São Paulo.

"Joana D´Arc A Virgem de Orleans"‏  
Temporada 2011 

 

Texto: Friedrich Von Schiller

Direção geral: Marcelo Marcus Fonseca

Elenco: Liz Reis, André Latorre, Wanderley Martins,
Luis de Tolledo, Marcelo Marcus Fonseca, Thiago Molfi,
Urias Garcia, David Guimarães, Cláudio José, Sonia Molfi,
João Sant’Ana, Caio Blanco, Giulia Lancellotti,
Robson Monteiro, Marcus Fernandes, Talita Righini,
Paulo Solar, Louis Caetano, Vander Lins e Eraldo Junior.

Iluminação: Davi de Brito e Vânia Jaconis

Figurinos: Liz Reis e André Latorre

Trilha sonora: Marcelo Marcus Fonseca e Thiago Molfi

Adereços: André Latorre e Beto Silveira

Maquiagem: Robson Monteiro

Assessoria de luta: Tarcísio Lakatos e Sérgio Uberti

Tradução: Mario Vitor Santos

Produção executiva: Cia. Teatro do Incêndio 

Fotos: Lenise Pinheiro

Local: Teatro Bibi Ferreira

 

 

Sinopse e Serviço:

 

 

Estreou dia 18/05/2011, no Teatro Bibi Ferreira, com temporada

até dia 04 de Agosto.

 

O espetáculo “Joana d'Arc - A Virgem de Orleans”, tradução de Mario Vitor Santos para o texto do poeta, filósofo, e dramaturgo alemão Johann Christoph Friedrich Von Schiller, obra escrita em 1801, e um dos maiores sucessos do dramaturgo. Projeto da Cia Teatro do Incêndio, o espetáculo recria poeticamente a história da Santa padroeira da França e heroína da Guerra dos Cem Anos, a francesa Joana d'Arc, camponesa semi-letrada, que foi acusada, julgada e queimada viva por heresia, fim este recriado ficticiosamente por Schiller. Na narração romântica do dramaturgo, a heroína é perdoada das acusações, e morre de forma gloriosa, em um campo de batalha. O desfecho trágico, e a referência de mito, dado pelo autor à Joana d'Arc na história, facilitou a discussão de alguns temas na peça. Entre eles a lida com alguns sentimento comuns (ou não) ao campo de batalha, como a paz, a fé, e o amor. Além do cinismo, da mentira, e da destruição do homem, pelo homem.

"Na Selva das Cidades"  
Temporada 2009 

 

Ficha Técnica
Autor: Bertolt Brecht
Direção: Marcelo Marcus Fonseca
Direção musical e trilha original: João Urbílio
Figurinos: Fernanda Ruivo e Renan Serrano
Cenografia: Sérgio Ricardo e Marcelo Marcus Fonseca
Iluminação: Renato Lopes
Fotos: Pya Lima
Visagismo: Ivon Mendes e João Urbílio
Assistência de direção: Ricardo Mancini
Projeto gráfico: Giuliano Henrique de Carvalho
Elenco: Sergio Ricardo, Rene Ramos, Wanderley Martins,
Marcelo Marcus Fonseca, Liz Reis, Zaíra B. Alves, Ivon Mendes,
João Urbílio, Valdir Zanquini, Nader Ghosn, Fabiana Vajman, ,
Thiago Molfi e Ricardo Mancini

Produção e Realização: Cia Teatro do Incêndio

Funarte e Teatro Aliança Francesa - 2009

 

 

 

Sinopse e Serviço

 

A montagem apresenta uma releitura do texto com adaptações
para a atual realidade do País. Em cena, 13 atores dão vida à
implacável luta pela sobrevivência na destruição causada por
dois homens, que se enfrentam sem motivo algum. A peça
expõe a relação do homem com o dinheiro (fisicamente), sendo
ele praticamente o protagonista de toda a história. 
A disputa pelo poder e a ganância do ser humano moderno que
destrói seu semelhante sem saber por que surge no texto de
maneira bem explicita. “A peça é um retrato de uma sociedade
agressiva, egoísta e intolerante que massacra a delicadeza e
compra opiniões em um mundo onde as pessoas estão se
destruindo cotidianamente e destruindo tudo em sua volta”.

As músicas originalmente compostas trazem uma boa dose de rock pesado até melodias inspiradas na sinfonia “Floresta do Amazonas”, de Villa-Lobos. O ator Wanderley Martins, um dos apaixonados pela obra de Brecht desde os anos 70, declama o poema “Lenda do Soldado Morto”, de autoria do próprio autor, e responsável pela colocação do nome de Brecht em quinto lugar na lista negra dos que seriam assassinados se o “putsch” de Hitler em 1923 tivesse vencido. O poema surge na montagem em uma versão musical com acordes eletrizantes de guitarra transformando-se em uma opera moderna.

Na Selva das Cidades foi apresentada pela primeira vez no Brasil em 1969, pelo Teatro Oficina, e encennada 40 anos depois pelo Teatro do Incêndio. 

Está foi a terceira incursão da Cia Teatro do Incêndio na obra do autor alemão Bertolt Brecht. O grupo traz em seu currículo as bem sucedidas montagens de “Baal – O Mito da Carne” (1996) e “A Boa Alma de Setsuan” (2005), criando uma identificação própria com o dramaturgo, trazendo uma leitura particular das obras do autor.

"La Ronde" 
Temporada 2008 

 

Texto: Arthur Schnitzler
Direção: Marcelo Marcus Fonseca
Elenco: Liz Reis e Marcelo Marcus Fonseca. 
Iluminação: Davi de Brito
Figurinos: Liz Reis
Imagens e projeções: Daniel Klaussner e André Heiras
Assistência de Direção: Daniele Klaussner
Adaptação e espaço cênico: Marcelo Marcus Fonseca
Fotos: Pya Lima e Milton Galvani
Arte Gráfica: Giuliano Henrique
Realização e Produção: Teatro do Incêndio

 

 




Sinopse e Serviço


La Ronde é um drama psicológico sobre erotismo e melancolia. 

Cinco casais levados à traição como fuga, necessidade ou
diversão, são interpretados por dois atores que se alternam nos
10 personagens vivendo pequenas situações comuns à vida.

Trata-se de uma peça sobre a banalização do sexo e o emprego
repetitivo da palavra amor, onde as relações são pautadas por
sedução e instinto, apresentando um abismo entre os universos
masculinos e femininos. A traição, a invasão, o egoísmo, a
pressão e o sexo como negócio e interesse são temas tratados
pelo autor, numa atmosfera de profunda investigação da alma
humana através dos relacionamentos. 

 

 

"Todos os Homens Notáveis" 
Temporada 2006 


 

Texto e Direção: Marcelo Marcus Fonseca
Elenco: Camila Turim, Marcelo Marcus Fonseca,
Gustavo Engracia,Fernando Vieira, João Urbilio,
Caiti Hauck, Manoel Candeias, Liria Varne, Paula Micchi,
Waleska Praxedes, Ricardo Dantas, Tito Guerra.

Iluminação: Davi de Brito e Vânia Jaconis

Direção Musical: João Urbílio e Caiti Hauck

Cenografia: Marcelo Marus Fonseca

Figurinos: Camila Turim

Técnico de luz e som: Daniel Klaussner

Produção e realização: Teatro do Incêndio

Teatro João Caetano - 2006






Sinopse e Serviço

 

Tragicomédia de Marcelo Marcus Fonseca, que tem
como tema mídia e política. A peça mistura realismo
com elementos do fantástico para revelar três pontos de
vista: do povo, dos governantes e da mídia através de jogos
dos atores e da manipulação da palavra. Conta a história
de dois amigos, donos de uma emissora de TV e de um
grande jornal, que aliam-se para eleger um deles governador
de São Paulo. Em trama paralela, um recém-formado em
jornalismo investiga a vida do governador.

 

 

 

 

"A Boa Alma de Setsuan"
Temporada 2005 

 

Autor: Bertolt Brecht

Direção: Marcelo Marcus Fonseca

Assistente de Direção: Paula Micchi

Direção Musical: Wanderley Martins

Cenografia e Direção de Arte: Marcelo Jackow

Visagismo: João Urbílio

Tradução Alemã: Del Candeias

Tradução Inglês: Juliana Fagundes

Figurino: lola Tolentino

Iluminação: Wagner Freire

Designer Gráfico: Akira Takiy

Voz Off Texto: Cida Moreira

Cenotécnico: Lázaro Batista Ferreira (Jotapupe)

Fotógrafos: Maurício França e Akira Takiy

Assessoria de Imprensa: Luciana Branco e Vanessa Guerreiro

Produção Executiva: Sueli Gonçalves e Claudia Burbulhan

Vídeo Registro: Cassandra Mello

Assistente de Produção: Fernanda Padilha

Assistência Administrativa: Beth Vieira

Assistência de Palco: Luiz carlos de Oliveira

Costureiras: Alice Correa e Neusa Padilha

Produção: Expressão & Arte Produção Cultural

Realização: Teatro do Incêndio

 

Elenco: 

Camila Turim, Cláudia Mello, Gustavo Engracia, Felipe Riquelme, Fábio Coutinho, Paulo Barroso, Marcelo Marcus Fonseca, Paula Micchi, Simone Xavier, Laura Kiehl Lucci, Juliana Fagundes, Caiti Hauck, Gabriela Werneck, Thiago Reis Vasconcelos, Airton Renô, Alceste Madella, João Urbílio, Leandro Rezende, Rogério Nagai, Lucas Reis Vasconcelos, Thiago Villa Abdalla e Matheus Manfredini


 

  Sinopse:

 

 Esta parábola de Brecht data de 1941 e foi escrita na época em que o dramaturgo vivia no exílio da Alemanha nazista. Brecht afirmava que a bondade era o estado natural do homem. Segundo ele, a crueldade exigia um grande esforço. Entretanto, o preço para se praticar o bem em um mundo como o nosso seria alto demais. Esse é o tema de A Boa Alma de Setsuan. 

 A história se passa na cidade chinesa de Setsuan, onde três deuses disfarçados chegam buscando abrigo de uma boa alma. Somente a prostituta Shen Te aceita hospedá-los. Em agradecimento, os deuses a presenteiam com dinheiro suficiente para que ela abra uma tabacaria e mude de vida. Imediatamente, o pequeno negócio de Shen Te é invadido por uma família inteira de pedintes e desempregados. Para contornar a situação, a prostituta inventa a figura de um primo (ela mesma), que não é bondoso. 

 

 

"Odile"  
Temporada 2003/2004 



 

Texto e Direção:Marcelo Marcus Fonseca.
Iluminação e cenotécnica: Vanderlei Conti
Figurinos: Franz Aparício Ambrósio
Fotos: Mauricio França
Produção: Marcos Berman – 65 Produções Artísticas. 
Realização: Teatro do Incêndio 
Elenco:Camila Turim, Edgar Castro, Felipe Riquielme

 





Sinopse e Serviço

 

Um fã espera uma Diva na porta de algum lugar indefinido
enquanto conversa com um segurança misterioso. A espera
infinita faz com que os dois criem uma espécie de intimidade
proibida, questionando realidade e ilusão. Quando a Diva surge
atrasada, revela-se sua natureza artificial, criada pela mídia, e
sua infelicidade de viver fora do mundo.

A peça é uma análise da imagem X pessoa, da cegueira
voluntária para tudo que está a nossa volta e sobre o
apel representado por cada um na engrenagem social.

"Anjos de Guarda"   
Temporada 2001 

 



Texto: Zeno Wilde

Direção: Marcelo Marcus Fonseca

Iluminação: Davi de Brito

Cenografia: Lenita Gonzales

Trilha sonora: Fioravantti Almeida

Direção de Produção: Célia Pagan

Elenco: Carolina Gonzales, Manoel Candeias e Fagner Pavan

 

 

 

Sinopse e Serviço

 

O caso de amor explosivo entre um fugitivo da Febem e
a psicóloga da instituição. Temática constante na obra do
autor, a questão do menor abandonado é tratada com
extremo realismo buscando uma saída na escuridão
diante da bruta realidade de suas possibilidades.

A peça foi produzida em pareceria entre o TBC
(Teatro Brasileiro de Comédia) e o Teatro do
Incêndio em 2001, ficanda em temporada em
São Paulo e viajando por 5 cidades do interior do Estado.

 "Beatriz Cenci"   
Temporada 2000 


 

Texto: Antonin Artaud

Direção: Marcelo Marcus Fonseca

Direção de arte e cenografia: Marcelo Jackow

Figurinos: Heitor Werneck

Iluminação: Diggio

Elenco: Carolina Gonzales, Caco Mattos, Marcelo
Marcus Fonseca, Victória Camargo, Fransérgio Araújo,
Ernani Sanchez, Almir Rosa, Marcelo Jackow e Elder Fraga.






Sinopse e Serviço

 

Beatriz Cenci, a mulher que matou o pai para se vingar
do estupro que sofreu do próprio. Ela tinha 22 anos,
no século 16, quando foi torturada e executada em praça
pública, condenada pelo papa Clement 8º. Apesar de ser
torturada durante um ano, Beatriz morreu sem assumir a
culpa; aceitou o crime, mas agiu em nome do que acreditava
justo. Apenas seu irmão mais novo sobreviveu à tragédia que
se abateu sobre toda a família, cujas terras foram confiscadas
pela igreja.
A história, muito humana, despertou a atenção de Antonin
Artaud,. Ele mesmo chegou a interpretar o papel do conde
Cenci, o pai, em "Les Cenci", encenada pela primeira vez em 1935.

O espetáculo "Beatriz Cenci" é um divisor de águas na trajetória 
do grupo. Para a montagem a Cia. foi rebatizada como Teatro
do Incêndio, em alusão a trilogia de Roger Vitrac, parceiro de
Artaud mo Teatro Alfred Jarry. Foram nove meses de ensaios
, em parte convertidos em workshops dentro do projeto de
residência teatral do Departamento de Formação Cultural,
mantido pela Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

A peça cumpriu temporada na Funarte, em São Paulo e
estabeleceu o cotidiano de treinamento do grupo com base
nas experiências inciadas sobre a obra do autor francês.

 

 

 

"A Filosofia na Alcova"  
Temporada 1999 

 

Texto: Marques de Sade

Direção: Marcelo Marcus Fonseca

Iluminação: Alessandra Domingues e Cibele Forjaz

Cenário: Marcelo Marcus Fonseca e Cibele Forjaz

Trilha Sonora: Fioravantti Almeida

Figurinos: Carolina Gonzales

Elenco: Cibele Forjaz, Carolina Gonzales,
Marcelo Marcus Fonseca, Daniel Gagini.



 

Sinopse e Serviço

 

Escrita pelo Marquês de Sade em 1795, O texto descreve a iniciação sexual de uma garota de 15 anos. Nele todos os tabus e convenções são quebrados, questionados e demolidos, procurando analisar o lado animalesco do ser humano apoiado em sua razão.

A peça cumpriu temporadas na Funarte e Teatro Oficina no ano de 1999 e teve como atriz convidada a diretora Cibele Forjaz no papel da protagonista da trama.

 

 

"Exercício Aeróbico para Padre e Banda nº1 - Opus 1999" 
Temporada 1999

 



Texto: Marques de Sade

Direção e Iluminação: Marcelo Marcus Fonseca

Tradução: Caco Mattos

Cenografia: Teatro do Incêndio

Figurinos: Carolina Gonzales

Elenco: Carolina Gonzales e Caco Mattos



 

 

Sinopse e Serviço

 

A peça é uma adaptação livre do primeiro texto do Marquês de Sade (1740-1814), "Diálogo entre um Padre e um Homem Morrendo" ("Dialogue entre un Prêtre et un Morinbond"), de 1782. A história se passa numa espécie de capela cheia de promessas, "uma Aparecida do Norte". Um padre procura converter uma mulher, vítima da violência urbana, que se deita para morrer.

Nessa situação, a mulher passa a questionar a existência de Deus, desmembrando os argumentos clássicos da Igreja Católica, o mito de Cristo e demais fundamentos.

 

O espetáculo foi concebido para um festival coordenado pela Cia. no andar superior do Teatro de Arena Eugênio Kusnet, onde 7 grupos se reuniram para apresentações de até 40 minutos.

 

 

 "O Balcão"    
Temporada 1997

 

Texto: Jean Genet

Direção: Marcelo Marcus Fonseca

Iluminação: Davi de Brito

Fotos: Lenise Pinheiro

Direção de Arte: Antônio Marciano

Figurinos: Carolina Gonzales

Cenário: Lenita Gonzales

Elenco: Denise Assunção, Enio Gonçalves, Carolina Gonzales,
Matteo Bonfitto, Paulo Pompéia, Marcelo Marcus Fonseca,
Ariel Borghi, Simone Iliescu, Daniela Carmona, Valcrez Siqueira,
Laudo Olavo Dalri, Fernando prata, Paula Tonolli
e Plínio Marcos Rodrigues.



 

Sinopse e Serviço

 

A peça de Jean Genet escrita em 1956, que teve sua estreia em 1997 no Teatro Brasileiro de Comédia, decreta o fim das instituições. Qualquer tentativa para melhorar o homem é inútil para Genet. No "Balcão", ele mostra um bordel ameaçado por uma revolta.
O bordel representa tudo o que essa revolução combate. O povo vence as autoridades, mas está sem líder. O Chefe das Polícias se aproveita dessa situação e realiza o que pretendia há muito tempo: toma o poder. Em seguida, organiza uma nova corte, em que os cortesãos são os frequentadores do bordel.
Assim, a vida acontece em ciclos, nada muda, novos hipócritas assumem o comando, e novos bordéis surgem para manter as fantasias de aspiração ao poder.
No jogo das ilusões às avessas proposto por Genet, a realidade é desvendada.

 

 

 

 "Baal"    
Temporada 1997

 

 

Texto: Bertolt Brecht

Direção: Marcelo Marcus Fonseca

Iluminação: Davi de Brito

Cenários e adereços: Antônio Marciano

Primeira adaptação: Zeno Wilde e Marcelo Marcus Fonseca

Segunda adaptação (Teatro Oficina): Marcelo Marcus Fonseca

Figurinos: Antônio Marciano e Letícia lacerda

Fotos: Antônio Marciano (espaço Equilíbrio) e
Lenise Pinheiro (Teatro Oficina)

Direção Musical: Wanderley Martins e Marcelo Marcus Fonseca

Assistentes de Iluminação: Roberto Agra e Silvestre J.R.

 

Elenco:

 

Marcelo Marcus Fonseca, Elcio Nogueira Seixas, Bel Kutner,
Rodrigo Bolzan, Carolina Gonzales, Caiti Hauck, Vera Bonilha,
Rodrigo Mercadante, Valcrez Siqueira, Paula Ribas,
Karine Carvalho, Roberto Rocha, Caco Mattos, Thatiane Valdrighi,
Eduardo Santana, Laudo Olavo Dalri, Melina Anthis,
Paula Preta, Renata Métene, Rita Alves, Juliana Monjardim,
Ariel Borghi, Plínio Marcos Rodrigues, Ricardo Leite,
Fernando Prata, Evandro Rodhen, Nicolas Trevijano.



Sinopse e Serviço

 

Peça de estreia do grupo. Inicialmente a Cia. foi batizada de
TeatroAosTragos (alusão ao "canto do bode") e sua primeira
fase nasce junto com a primeira peça de Bertolt Brecht. Com
base em diversas versões para o texto criadas pelo autor, um
processo de 10 meses estudou uma dramaturgia que pudesse
traduzir a fúria de uma época ressuscitada pela poesia e pelo poeta. 

O espetáculo estreou dia 12 de janeiro de 1996, dia do aniversário
do grupo e cumpriu temporadas no Espaço Equilíbrio (uma
antiga fundição de ferro no bairro de Pinheiros em São Paulo)
e seguiu para o Teatro Oficina a convite do diretor José Celso
Martinez Correa. Em 1998, convidada pelo Sesc, a Cia. participou
de dez espetáculos pelo interior de São Paulo e Sesc Vila Mariana,
em comemoração ao centenário do nascimento de Bertolt Brecht
, além de apresentações especiais na Oficina Cultural Oswald
de Andrade. 

 

 

 

 

 

© 2019/20 Todos os Direitos Reservados

Cia. Teatro do Incêndio

 (11) 983 286 358   |   (11) 2609.8561 | (11) 2609.3730

 

Teatro do Incêndio

Rua 13 de Maio, 48

Bixiga - Bela Vista - São Paulo/SP 

 

baal2.jpg